fertirrigação

O que é fertirrigação? Entenda os seus benefícios para a produção agrícola

Talvez não seja o seu caso, mas muitas pessoas que trabalham no agronegócio têm diversas dúvidas sobre o que é fertirrigação. Se o conceito já estivesse mais disseminado, a produção do agro brasileiro poderia ser ainda maior. Afinal, ela representa revolução na otimização e economia na aplicação de nutrientes diretamente nas plantas, com menor perda possível.

Neste artigo, você entenderá com detalhes essa técnica, vantagens de adotá-la e com quais culturas funciona, além de dicas de como substituir o modelo tradicional e acompanhar o desempenho. Ainda receberá uma valiosa dica para o caso de ficar interessado em implantar o sistema em sua produção. Confira!

O que é fertirrigação?

A técnica de irrigação do solo já é bastante conhecida pela maioria dos agricultores. Existem diversas linhas de financiamento para a instalação do sistema, como o Proirriga. Embora com investimento considerável, elas oferecem ótima relação custo-benefício.

A fertirrigação é um sistema muito parecido, com o diferencial de usar um sistema de irrigação a fim de levar nutrientes às plantas junto com a água.

Para isso, é preciso usar adubos especiais, que precisam estar na forma de fertilizante líquido, ou fazer sua diluição em água. Vencida essa etapa, as plantas podem receber a mistura por meio da técnica de gotejamento ou de microaspersão. Veja os detalhes de cada uma!

Gotejamento

No gotejamento, é preciso alinhar os dispositivos que farão a adubação da planta propriamente dita. Os gotejadores devem ser posicionados junto ao sistema receptor de nutrientes das plantas, as áreas radiculares. Esse método tem a vantagem de proporcionar maior aproveitamento do material fertilizante. Mas, cuidado: ele também exige boa manutenção, devido ao possível entupimento dos gotejadores. Por isso, use fertilizantes de qualidade e siga as indicações do fabricante quanto à diluição. 

Microaspersão

Já na microaspersão, é necessário que o dispositivo microaspersor atenda a uma única planta, pois é assim que será garantida a eficiência do sistema. No entanto, nem sempre isso acontece. Dessa forma, existe uma alta probabilidade de que a solução com os nutrientes fique mais concentrada próximo ao mecanismo de microaspersão e não chegue de modo eficiente às raízes da planta.

Quais são os benefícios da fertirrigação?

A adoção de um sistema de fertirrigação (ou a adaptação de um sistema de irrigação já existente) pode aumentar significativamente a produção de uma lavoura. Inicialmente, pode-se ter a ideia de que o sistema é caro, mas existem estudos que mostram o bom custo-benefício em diferentes culturas, como cebola e outras hortaliças.

Ficou com curiosidade para saber como é possível? Acompanhe a seguir os principais benefícios proporcionados pela técnica!

Compactação menor do solo

No sistema tradicional de adubação do solo, muitas máquinas são utilizadas. E, mesmo que não haja uma variedade muito grande de equipamentos, ao menos um precisa ser utilizado. A questão é que ele precisa passar algumas vezes em meio à lavoura que necessita adubar. No entanto, um problema surge dessa prática: a compactação do solo.

Devido ao elevado peso de uma máquina agrícola, o solo vai, pouco a pouco, ficando mais denso. A situação ideal é exatamente a oposta dessa, quando o solo fica poroso e devidamente oxigenado — o que é possível com a fertirrigação.

Nela, o processo de adubação é feito tendo a água como veículo, e não mais a máquina agrícola. Assim, tem-se a vantagem de preservar as características do solo que favorecem o plantio.

Controle de nutrientes

Essa é uma das características que tornam a fertirrigação um processo muito mais racional do ponto de vista gerencial. Por meio dessa técnica, é possível ter maior controle na administração de nutrientes ao solo — sendo o fósforo, o potássio e o nitrogênio os principais elementos utilizados.

Para tanto, as aplicações de nutrientes ocorrem de maneira mais frequente que nos métodos tradicionais. No entanto, elas são feitas em menor quantidade, o que permite uma reposição planejada, de modo a conseguir acompanhar dia a dia o ciclo de produção da lavoura. Assim, você alcança uma eficiência muito maior em relação ao capital despendido em adubação.

Baixas perdas por lixiviação

No processo de adubação por fertirrigação, a água canalizada é o instrumento responsável por levar os nutrientes até o sistema radicular das plantas. Sendo assim, não é necessário o uso de máquinas para realizar esse procedimento.

O resultado? Uma menor movimentação de pessoas e de maquinário sobre o solo, na região em que a lavoura se encontra. Esse baixo movimento traz preservação ao estado natural do solo e evita que aconteça o processo de lixiviação — o processo de retirada de nutrientes do solo por agentes naturais, sobretudo a água.

Portanto, além da conservação das condições propícias ao plantio, a técnica evita que ocorra a infertilidade do solo no médio e no longo prazos.

Custos menores

Esse é um ponto que merece mais atenção e uma análise apurada para chegarmos a uma conclusão acertada. A razão disso é que, inicialmente, pode-se pensar que a técnica de fertirrigação seja mais cara do que outros processos de adubação tradicionais devido ao seu custo de instalação. De fato, ele costuma ser mais elevado.

No entanto, esse gasto tende a se diluir com o tempo por dois motivos. O primeiro deles: a menor necessidade de mão de obra e máquinas para efetuar a adubação. Consequência: menos custos com encargos trabalhistas e combustíveis. A segunda razão reside no fato de que a adubação se torna muito mais eficiente, proporcionando maior efetividade no processo. Então, isso representa um uso mais racional do capital investido na lavoura.

Em quais culturas a fertirrigação funciona?

A fertirrigação é uma tendência que pode ser adaptada para qualquer tipo de cultura. Contudo, é preciso um planejamento detalhado no projeto com os cálculos baseados na análise de solo local e conforme a exigência nutricional das cultivares.

Afinal, se elas forem mal manejadas, isso causará impactos cumulativos no sistema radicular e no solo ao longo do tempo, aumentando a acidificação e a salinização da região.

Dessa forma, essa técnica é recomendada em regiões de clima árido e semiárido pela necessidade de irrigação, especialmente a localizada, a exemplo do sistema de gotejamento. Com isso, são aplicados fertilizantes minerais em menores quantidades, porém com maior frequência no decorrer do ciclo da planta.

A fertirrigação pode substituir a irrigação tradicional?

Como já falamos aqui no Broto, a fertirrigação tem melhor eficiência em sistema de irrigação localizada, pois proporciona maior aproveitamento dos nutrientes pelo sistema radicular da planta.

Logo, podemos concluir que, em modelos como aspersão, o volume do solo molhado é maior, reduzindo a eficiência da técnica e gerando desperdício.

A boa notícia é que, aos poucos, o sistema de irrigação por gotejamento vem ganhando destaque, mesmo que o cenário atual aponte que a aspersão por pivô central tenha predominância. Assim, na atualidade, a fertirrigação entra como uma estratégia para otimizar a produtividade.

Porém, para a fertirrigação ganhar mais força, será preciso um processo de adaptação com o sistema tradicional de aspersores, o qual poderá levar bom tempo.

Como o sistema deve ser aplicado em uma lavoura?

O ponto mais importante na implantação de um sistema de fertirrigação é contar com apoio especializado. Trata-se de um método de custo considerável, em que todo cuidado é pouco.

Por isso, devem ser feitos estudos a respeito dos equipamentos a serem utilizados, de quais são as necessidades da cultura em questão e dos nutrientes necessários. Logo, ter um corpo técnico para auxiliar é imprescindível.

Como monitorar o sistema para acompanhar o desempenho?

Para monitoramento eficiente, é fundamental contar com auxílio de profissionais especializados, como um engenheiro agrônomo.

Ele vai manipular as dosagens de fertilizantes, aumentando ou diminuindo seus valores por metro cúbico de água irrigada, além de obedecer ao controle da CE (condutividade elétrica) estipulada para cada fase do desenvolvimento da cultura.

Com isso, as avaliações periódicas da solução nutritiva fornecida ao solo podem ser realizadas por meio de tubos Extratores de Solução do Solo (ESS), que são inseridos em três profundidades de 15, 30 e 45 cm. Logo após, aplica-se uma seringa com o objetivo de realizar o efeito de vácuo, realizando a sucção do ar para que a solução nutritiva do solo encha os tubos extratores.

O monitoramento se faz necessário para evitar problemáticas como excesso de adubo — fator que contribui para aumentar a salinização do meio. Quando isso ocorre, há dificuldade de absorção de água pela cultura, o que prejudica o seu desenvolvimento. Inclusive, esse fator é agravado em regiões tropicais, em que há grande transpiração das folhas. 

Com isso, há excesso de sais, e a planta interpreta que está havendo deficiência hídrica e, assim, fecha seus estômatos. Isso diminui a sua atividade fotossintética em horários de maior luminosidade e, como consequência, há redução na produtividade.

Outro ponto fundamental é avaliar a variação do pH: este, em geral, deve permanecer na faixa entre 5,7 e 7,5 para que os nutrientes fiquem disponíveis de maneira equilibrada. Esse valor também evita situações como precipitação e formação de cristais no solo.

Conhecer mais detalhes sobre a fertirrigação auxilia bastante no aumento de produção da sua lavoura. A técnica proporciona melhor aplicação de nutrientes no solo e, dessa forma, a cultura encontra as condições ideais de que precisa para proporcionar maior produtividade.

O cuidado fica por conta dos estudos prévios para a implantação, e isso pode ser feito por meio da contratação de profissionais com amplo conhecimento técnico.

Em suma, a fertirrigação é uma excelente técnica para elevar as produtividades no agronegócio brasileiro, pois contribui para uma agricultura mais eficaz e com melhor custo-benefício. Que tal considerá-la?

Este artigo foi esclarecedor sobre esse tema importante no dia a dia no campo? Então, para seus colegas de profissão e colaboradores também ficarem atualizados sobre o assunto, compartilhe nas redes sociais!

Quer receber nossas novidades e conteúdos?

Cadastre-se e receba por e-mail em primeira mão.

E-mail cadastrado com sucesso
Ops! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, verifique se o captcha está correto.

1 comentário

Diga o que está em sua mente

Seu endereço de e-mail não será publicado.