fenômenos que afetam a agricultura

Conheça os principais fenômenos que afetam a agricultura!

Não é novidade que o tempo e o clima têm uma enorme influência na produção rural. Mas você já parou para analisar quais são exatamente os fenômenos que afetam a agricultura?

O conhecimento sobre as condições climáticas, sobretudo dos fenômenos meteorológicos, é peça-chave para tomar decisões acertadas na hora de plantar e organizar estratégias para lidar de forma eficiente com o que ainda pode surgir ao longo do ciclo produtivo.

Para você conseguir se programar e otimizar seus resultados, explicamos alguns dos fenômenos que mais impactam a produção agrícola na atualidade. Confira!

O que são fenômenos meteorológicos?

De forma bem simples, podemos definir os fenômenos meteorológicos como eventos de origem natural que ocorrem na nossa atmosfera e impactam diretamente o ambiente, como o excesso de chuvas, períodos longos de estiagem, variações de temperatura etc.

Embora sejam comportamentos da natureza, o modo como o homem explora o meio ambiente — como o aumento da poluição e do desmatamento — contribui de forma direta para esses acontecimentos e os torna ainda mais imprevisíveis.

Ademais, esses fenômenos que afetam a agricultura possuem dinâmicas de funcionamento próprias, impactando os ambientes de diferentes maneiras.

Quais são os fenômenos meteorológicos que afetam a agricultura?

Quando o assunto é desenvolvimento das culturas agrícolas, não há dúvidas de que os eventos meteorológicos influenciam o andamento e resultados das lavouras. A seguir, confira para quais deles você deve ter atenção.

El Niño

Bastante conhecido, o fenômeno El Niño é responsável pelo aquecimento além do normal das águas do Oceano Pacífico. Com isso, há uma evaporação mais intensa de água, que se espalha pela atmosfera e modifica a frequência das chuvas e temperaturas. Como resultado, temos períodos mais chuvosos e médias de temperatura diária mais elevadas.

Por ser um fenômeno de região tropical, El Niño tem influência em aproximadamente 20 regiões do mundo. No Brasil, as áreas afetadas podem ter repercussões diferentes.

Nas regiões Norte e Nordeste, por exemplo, é comum o aumento das temperaturas acompanhado pela redução das chuvas, o que significa um período mais prolongado de seca. Já no Centro-Oeste, as temperaturas elevadas vêm acompanhadas de irregularidades nas chuvas.

No Sul e Sudeste, por sua vez, ocorre o aumento da temperatura média, porém o volume de precipitações é mais abundante, especialmente na Região Sul. Obviamente, todas essas mudanças trazem consequências para as plantações, especialmente para as mais sensíveis às alterações climáticas.

Por esse motivo, é importante que o produtor rural acompanhe de perto as previsões meteorológicas e invista em ferramentas que ajudem nesse processo. Assim, é possível agir de forma proativa para minimizar impactos negativos e aproveitar boas oportunidades.

La Niña

O La Niña é um evento climático que provoca um efeito contrário ao El Niño. Isto é, ele resfria as águas do Oceano Pacífico, o que implica em temperaturas mais baixas. Com o fenômeno La Niña em ação, a tendência é termos um verão mais ameno e com mais precipitações.

Mas, se por um lado o aumento do período úmido ajuda na intercalação de duas safras, por outro, a alta umidade e as baixas temperaturas facilitam a proliferação de doenças na lavoura. Portanto, os produtores rurais devem ficar bem atentos para que essas ondas climáticas não se intensifiquem e gerem prejuízos.

Além disso, La Niña produz diferentes efeitos em cada região do Brasil, com uma tendência de favorecimento das culturas de inverno.

As regiões Norte e Nordeste ficam com chuvas mais intensas, especialmente em áreas litorâneas e de rios. Mas é importante observar se elas também não estão causando alagamentos, que são bastante prejudiciais ao desempenho da lavoura.

No Centro-Oeste, o principal efeito é a ocorrência de períodos longos de estiagem, assim como na Região Sul. Já no Sudeste, fica difícil prever qualquer mudança climática.

Efeito estufa

Presentes na lista dos fenômenos naturais mais conhecidos no mundo, o efeito estufa é agravado pela queima de combustível fóssil e a consequente emissão de elevados índices de gás carbônico. Isso faz com que o planeta tenha um aquecimento gradativo da sua média de temperatura, e, portanto, períodos de estiagem mais longos.

Para plantações sensíveis ao calor ou que necessitam constantemente de água, o efeito estufa é um grande desafio para o produtor, exigindo, por exemplo, maiores investimentos em irrigação, entre outros cuidados.

Mudanças no tempo

As mudanças climáticas dizem respeito aos regimes das chuvas e ventos e à forma como isso reflete no desempenho das lavouras. A dinâmica atmosférica está em constante mudança, então é preciso se preparar para enfrentar os aumentos e quedas de temperatura, os maiores índices pluviométricos ou secas.

Nesse contexto, o conhecimento das condições meteorológicas é fundamental para o planejamento da produção rural, de modo que o produtor sempre seja capaz de tomar as decisões mais assertivas e consiga atingir um desempenho satisfatório.

Quais são as principais dicas para lidar com esses fenômenos meteorológicos?

Uma das principais medidas para lidar com os fenômenos meteorológicos de maneira bem-sucedida é o zoneamento climático — análise do perfil agrícola de uma região, a partir dos fenômenos que acontecem por lá.

Seu objetivo é fazer com que o produtor entenda melhor os obstáculos que pode enfrentar no seu processo produtivo, bem como os tipos de cultura ideais para sua propriedade. Além disso, o objetivo é conseguir agir de forma preventiva, quando necessário.

Entre outros fatores, esse estudo leva em consideração todo o histórico das médias climáticas — chuvas, estiagem e temperaturas. Com base nesses levantamentos, é possível descobrir o que é preciso para um desenvolvimento saudável da plantação.

Além da análise do perfil de cada região, o zoneamento climático ainda será importante na contratação de seguros agrícolas para períodos em que há queda de produção e na construção de manejos mais sustentáveis do solo.

Outro ponto importante para minimizar os impactos climáticos é a preparação do solo, a fim de que se crie uma boa capacidade de armazenamento de água e fornecimento de nutrientes.

Nesse cenário, o investimento em soluções inteligentes da agricultura digital, como softwares, aplicativos e equipamentos modernos, é um ponto crucial para ganhar eficiência na execução dessas tarefas.

Como você pôde ver, são inúmeros os fenômenos que afetam a agricultura, e eles estão cada vez mais imprevisíveis. Por isso, aliar o conhecimento sobre as condições do solo e temperaturas com as inovações tecnológicas e princípios de sustentabilidade é um grande diferencial para uma produção cada vez mais rentável.

Pronto! Agora que você aprendeu sobre os principais fenômenos meteorológicos, aproveite para seguir os perfis do Broto nas redes sociais — Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn — e conferir outras dicas para fortalecer seu negócio.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.