Colheita de inverno

Conheça as safras e colheitas mais comuns no inverno

A prática tradicional conduz o cultivo geralmente no período primavera/verão e, em seguida, deixa a terra descansar até a próxima safra. No entanto, em algumas regiões do Brasil, a colheita de inverno pode ser considerada como uma opção a ser incorporada na rotina da propriedade.

Existem vantagens e benefícios em substituir a entressafra por produção. Para esse fim, costuma-se fazer uso de outra espécie, atendendo aos princípios da rotação de culturas.

Continue a leitura e conheça as safras e colheitas mais comuns no inverno.

Quais são as principais culturas de inverno?

Cultura de inverno é aquela que se implanta após a colheita da cultura principal e seu desenvolvimento se dá no período da chamada entressafra. A produção de inverno é colhida próximo à metade do ano, quando as temperaturas são mais amenas.

Trata-se de uma prática mais comumente aplicada na Região Sul do país e, por essa razão, as principais culturas empregadas para esse fim costumam ser trigo, centeio e aveia. No entanto, existem outras espécies utilizadas, podendo-se destacar, entre outras, a canola, o milho, o sorgo e o feijão.

De todo modo, nessa região do país, trigo, centeio e aveia continuam sendo as melhores opções para o cultivo de inverno. Essas lavouras podem suceder, por exemplo, à soja após a safra desta oleaginosa, o que constitui uma prática que tem dado bons resultados, com melhoria na produtividade.

Outras regiões onde a cultura de inverno já apresentou boas performances foram o Sudeste e o Centro-Oeste. Na primeira, sorgo, feijão, girassol e algumas variedades de trigo são as culturas mais indicadas, enquanto para o Centro-Oeste, além dessas, a aveia também pode ser uma opção.

Considere que a escolha da cultura que será conduzida na safra de inverno deve atender antes à oportunidade econômica existente na região. Com isso, o produtor consegue garantir, além dos benefícios que a prática oferece, uma ampliação em seus rendimentos.

Outro aspecto que deve ser observado na escolha é constituído pelas potencialidades da cultura que se vai conduzir diante das condições locais. Algumas situações que podem ser encontradas envolvem a utilização da cultura de inverno para o atendimento de demandas do produtor como, por exemplo, o consumo na propriedade, mesmo para a produção animal.

Por que conduzir culturas de inverno?

Pousio é o nome que se dá ao período em que o solo fica sem ser cultivado até a próxima safra de verão. Para a produção agrícola, não é a prática mais indicada para as regiões onde a cultura de inverno se mostra economicamente interessante, embora seja o que tradicionalmente se faz.

Estudos conduzidos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) demonstraram que a produção de soja responde melhor quando se pratica a cultura de inverno, ao invés do pousio. Os trabalhos mostraram que isso reduz a infestação de plantas invasoras, a infestação de pragas (reduzindo a demanda por pulverizações) e as perdas de nutrientes no solo.

A primeira razão para o cultivo de inverno, assim como para o uso de tecnologia no campo, como apontado antes, é de natureza econômica. Na verdade, se a cultura tiver potencial de comercialização, esse cultivo pode ser significativo para o equilíbrio financeiro dos negócios do produtor.

Além disso, uma entressafra sem o aproveitamento do solo com outra cultura pode aumentar a presença de plantas invasoras (ervas daninhas) e pragas da cultura, como demonstrou a Embrapa. Assim, entre as principais razões para o cultivo de inverno, algumas se caracterizam como verdadeiros benefícios:

  • as vantagens da rotação de culturas (quebra do ciclo de pragas, melhoria na dinâmica dos nutrientes);
  • as vantagens econômicas já apontadas;
  • redução na utilização de defensivos;
  • a palhada deixada no campo após a colheita de inverno.

Culturas comumente utilizadas como trigo e aveia, quando se seguem à soja, são cultivadas com espaçamento menor, aumentando as dificuldades para as ervas daninhas ocorrentes. Ao mesmo tempo, as diferentes arquiteturas radiculares melhoram as relações físico-químicas em sua região de desenvolvimento.

Finalmente, pense na cultura de inverno como uma opção de cultivo com retorno econômico compensatório, principalmente nas situações climáticas adversas ocorridas na safra que termina. Seria como uma segunda oportunidade e um alento para o gerenciamento financeiro da propriedade.

Quais são os cuidados indicados para uma safra de inverno?

O cultivo de inverno não deve ser considerado como alguma coisa secundária ou de menor importância na propriedade. As vantagens de sua adoção são suficientes para garantir toda a atenção necessária, sobretudo porque deixarão uma boa herança para a cultura de verão, além de trazerem bons resultados financeiros.

De toda forma, nessa época do ano em que se dá o cultivo de inverno, é preciso contar com a incidência de temperaturas mais baixas que reduzem a velocidade do desenvolvimento das plantas. Diferentes culturas se comportam de maneira diversa quando se trata de situações de clima mais ameno ou mesmo frio.

Nesse sentido, algumas regiões do país podem até experimentar a ocorrência de alguma geada. Portanto, algumas medidas de cuidado devem ser tomadas para os cultivos de inverno, em especial com relação à proteção do solo com alguma cobertura morta disponível, como a palhada da safra anterior.

Além disso, deve ser observada a escolha da variedade mais adequada, isto é, mais adaptada para aquele período e região de cultivo. Na verdade, contar com um potencial genético mais apropriado já é meio caminho andado em direção ao sucesso da lavoura.

Ao mesmo tempo, leve em conta que plantas bem nutridas são mais saudáveis e com melhores condições para resistir às circunstâncias menos favoráveis. Assim, todo cuidado com uma boa adubação adequada à cultura ainda deixará um solo fértil para o próximo cultivo.

No caso do trigo, ainda é importante considerar sua maior suscetibilidade ao alumínio tóxico, que em solos mais ácidos pode estar disponível no solo afetando a produção da planta. Assim, cuidar para redução da acidez do solo facilitará para a lavoura e deixará um solo corrigido para a lavoura seguinte.

Como você pode ver, a colheita de inverno é uma prática que pode trazer muitos benefícios para a produção, facilitando as condições para a safra de verão e trazendo novos recursos para o produtor.

Você tem experiência com cultivo de inverno? O que acha da prática de ocupar a entressafra com produção? Deixe seu comentário!

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
© Brasilseg Companhia de Seguros - CNPJ: 28.196.889/0001-43 | Av. das Nações Unidas, 14.261, São Paulo-SP, Brasil – CEP: 04794-000